carta para eva

Você nem completou as primeiras 72 horas por aqui e já foi apelidada pela sua mãe de tartaruguinha. Aliás, a sua mãe, a tartarugona, tem me ensinado muito sobre a coragem e a maternidade. Não satisfeita de ser a minha primeira boneca de verdade quando eu tinha nove anos e ela nasceu, tratou logo de repetir o feito pessoalmente e, ao lado do seu pai, fez mais duas bonecas para a nossa família — você e a sua irmã, Aurora.

Mas nem tudo são as doçuras, chamegos e fofurices que você merece e terá nos seus primeiros anos de vida, por ter tido a sorte de ter nascido em uma família privilegiada como é o caso da nossa. No país em que moramos e em muitos outros lugares do mundo, infelizmente, não funciona assim. A maioria das crianças brasileiras, como você, parece ter sido esquecida pelo Poder Público.

Um relatório do IBGE mostra que 18,2 milhões de crianças de 0 a 14 anos vivem na pobreza, o que representa 43,4% de todas as pessoas dessa idade no Brasil. Outras pesquisas apontam que 1% tem quase 30% da renda do país e que os 5% mais ricos da população recebem, por mês, o mesmo que os demais 95% juntos. Não parece ser justo, , Eva? Tudo bem que sempre haverá os mais ricos e os mais pobres, e já sabemos que os regimes socialistas totalitários e extremos também não dão certo, mas, acredite, onde moramos é bem assim.

Chegamos a viver um momento de euforia e uma melhora da situação de miséria da nossa gente recentemente, mas durou pouco nosso orgulho e o peito estufado quando falávamos sobre o nosso país. A tia te conta também, sem medo de errar que, infelizmente, quase todos os nossos políticos, de todos os partidos, que deveriam nos representar e lutar pelos nossos direitos, são pessoas más, sem caráter, corruptos, ladrões, mentirosos e sem ética. Com as suas tramoias e sacanagens, eles colocam diariamente, há muitos anos (não apenas nas últimas décadas), a nossa esperança, os nossos sonhos e votos na lata do lixo; Desviam verbas de merenda escolar; Associam-se a traficantes de drogas ou empresários que, como eles, correm ou mandam seus empregados correrem escondidos pelas ruas com malas cheias de maços de dinheiro, fruto do nosso trabalho e dos impostos que pagamos; Ameaçam seus colaboradores para que doem parte do salário; Prometem, não cumprem e mentem; Desrespeitam tanto o nosso povo, que muitos (muitos mesmo: dois ex-presidentes, ex-ministros e uma centena de outros políticos) estão ou estiveram presos. Boa parte está respondendo a ações criminais por corrupção, lavagem de dinheiro, formação de quadrilha e outras coisas horríveis que você não vai acreditar quando crescer e conseguir entender. Na verdade, Eva, talvez nem crescendo você consiga entender, meu amor, de onde vem tanta ganância e por que, para muitas pessoas no nosso país, ter dinheiro é muito mais importante do que ter dignidade.

O seu bisavô, Walter, que também era político e que nasceu no mesmo dia em que você, há 98 anos, deve estar com o pouco cabelo que ele tinha em pé lá do céu, onde ele mora. Você consegue acreditar que, em pleno 2019, este ano em que você chegou, ainda tem muita gente que acha que negros e índios são etnias inferiores? Que as meninas não deveriam namorar meninas, e nem os meninos gostar de namorar outros meninos? Engraçado isso a essa altura do campeonato, , Eva? Inclusive, chegaram a comentar por aí sobre você e os seus amiguinhos, que as meninas deveriam usar a cor rosa e os meninos a azul. Chegou a ser cômico, sabe…

Outra barbaridade (como gostamos de dizer aqui no Sul), que espero que quando você cresça já não seja mais uma realidade, é que é bem comum que os homens machuquem, humilhem e até assassinem as suas próprias ex ou atuais esposas ou namoradas, desrespeitando-as e abusando da integridade de outras que eles nem conhecem. Em 2018, foram registrados 1.173 feminicídios — 12% mais em relação a 2017. A cada 2 segundos, uma mulher é agredida aqui no nosso país. Na maior cidade do Brasil, São Paulo, nos 3 primeiros meses de 2019, os casos de feminicídio cresceram 76%. Sim, os homens também apanham das mulheres, mas em número infinitamente menor. A parte boa disso tudo é que estamos cada vez mais unidas e compartilhando todas essas loucuras que acontecem conosco pelas ruas e pelas redes sociais.

Falando nas redes sociais, é bom que você saiba que, no meio de tanta coisa chata e cruel, muitas coisas bacanas estão acontecendo pelo mundo e até no nosso país. Pessoas mais bacanas ainda estão por trás destes projetos e ideias. Ah, Eva, se você puder, tente sempre acreditar ainda nas pessoas. Pode não parecer, mas vale a pena.

Na internet, que logo, logo você saberá do que se trata, é possível que pessoas de todo o planeta conheçam virtualmente, por exemplo, as obras de arte que existem no Louvre, que é um dos museus mais famosos do mundo, que fica em Paris, uma cidade linda. Infelizmente, contudo, não é só isso que as pessoas fazem online. Elas também aproveitam para brigar umas com as outras, odiar quem pensa diferente delas, disseminar inverdades. Também serve para as pessoas fingirem que são todos os dias superfelizes, maravilhosas e vivem uma vida sem nenhum problema. É mentira, Eva!

A coisa mais importante da vida e, que você vai aprender naturalmente com os teus pais, é que nós todos, os seres humanos, somos iguaizinhos no que diz respeito às nossas emoções (no resto, geralmente, somos muito diferentes, e isso é ótimo). Temos bons e maus momentos, virtudes e defeitos, e formas diferentes de encarar a vida, mas, na verdade, todos somos idênticos.

No mais, mesmo com essa lista de complicações que a tia já te antecipou acima, aposto que será divertido e cheio de emoções. É intenso e pode até doer bastante viver, mas você vai ver que é uma delícia.

Bem-vinda, meu amor!

Por Mariana Bertolucci

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *