o mecânico e a coragem

Há quem pense que tem coragem quem não sente medo. Errado! Ter coragem é justamente a capacidade de agir quando o medo nos invade; Não paralisar diante do que assusta ou ameaça. Nada simples. Pensa em um leão furioso te olhando, ao vivo e a cores, sem grade no meio…

Perder quem amamos é cruel — exige uma coragem constante e firme para continuar. Perder o trabalho ou ser enganado é ruim — fere nosso orgulho, mas passa. Ficar sem saúde é horrível, talvez o pior dos medos, mas perder a coragem é o que estanca nossa vida. Para agir com valentia não é preciso falar grosso, sorrir pouco, não derramar lágrimas, ser destemido, radical, correr riscos, escalar montanhas ou ser imprudente. Sem nem perceber, a deixamos escapar a todo instante. Ela nos falta quando falamos demais e nada dizemos, assim como nos momentos em que pensamos demais nas palavras, calando nobres verdades que nos sufocam dia a dia, ano a ano, uma vida…  

Acovardamo-nos quando, por qualquer motivo, desistimos de estar ao lado de quem amamos — nos bons e nos maus momentos —, assim como quando resistimos estagnados ao lado de quem não nos emociona mais.  

Viver é ser, ao mesmo tempo, o mecânico, atento e sensível, e o próprio carro em movimento — um dolorido, trabalhoso e sábio autoconserto, pago em parcelas infinitas no cartão de crédito da consciência e da disciplina. Perdemos a coragem quando desistimos de tratar a nós mesmo e ao nosso “carro”, com amor e humildade. Então, reclamamos mais do que compreendemos, gritamos mais do que escutamos, culpamos mais do que perdoamos, bufamos cada vez mais e respiramos cada vez menos, comemos demais, saboreamos de menos, bebemos demais e curtimos cada vez menos, sorrimos muito para as selfies e pouco para os donos dos celulares. Temos medo e vergonha de chorar, de elogiar, de falhar, de sofrer e de sentir, porque aprendemos que a vulnerabilidade é irmã gêmea da fraqueza. Seja otimista, contudo! Tem sido duro, ultimamente, eu sei, mas tente todos os dias pensar que as coisas vão dar certo. Se for difícil, volte atrás, recomece — seja!

Tire o foco daquilo que o faz sofrer e pense nas outras 197 decisões e atitudes que, só vindas de você, terão o poder de minimizar a dor, o medo, o pensamento negativo — seja um relacionamento, a falta de dinheiro, uma insatisfação com a sua imagem, um problema sério profissional ou de saúde. Saiba a hora certa de dizer um “não” para entender a doçura que tem o seu “sim”. Peça desculpas. Só assim conseguiremos nos perdoar e aos outros. Conforto? Só na hora de dormir e nas férias… Admita e reconheça que é Tom Jobim quem tem razão: “[…] fundamental é mesmo amor, é impossível ser feliz sozinho […]”. O amor não está só ao lado de um par. Peça e aceite ajuda, confie, entregue e agradeça. Como o universo vai conspirar ao seu favor, se nem você o faz?

O pensador e filósofo chinês Confúcio definiu coragem assim: “saber o que é certo e fazê-lo”. Parece bem simples, ? Está na simplicidade o maior mistério. Por anos (anos mesmo — uns 15…), acreditei que encontraria toda a paz e plenitude que sempre busquei quando conseguisse sossegar a mente e controlar a ansiedade. Demorei quase 10 anos para aprender a respirar somente pelo nariz e, ao mesmo tempo, puxar, alongar e torcer o meu corpo com generosidade e o respeito que ele merece. Fiquei entediada, achei monótono, dei muitas voltas, mas não desisti de tentar. Agora, você deve estar aí pensando que, finalmente, alcancei a tão sonhada serenidade, respirando e me retorcendo, e está tudo maravilhoso na minha vida, ? Pois, então, vou te contar que, desde a semana passada, quando me formei pela Premananda Yoga School, no Centro de Yoga Montanha Encantada, em Garopaba, meus medos aumentaram (o quê???), minhas dores voltaram (como assim??? E a consciência corporal???) e meus mistérios me assombram ainda mais. Mas o que é isso? Um autoconhecimento ao contrário? Cadê o mecânico do próprio carro do meio do texto, tchê? Te conto que, como nós, ele também perde a coragem a todo instante e nem sabe por onde começar os reparos no meu motor 4.5. A diferença agora é que me sinto mais apta a ajudar o moço e também a apenas agradecer todos os dias. E recomeçar…

Namastê!

“O correr da vida embrulha tudo,
a vida é assim: esquenta e esfria,
aperta e daí afrouxa,
sossega e depois desinquieta.
O que ela quer da gente é coragem.
O que Deus quer é ver a gente
aprendendo a ser capaz
de ficar alegre a mais,
no meio da alegria,
e inda mais alegre
ainda no meio da tristeza!
A vida inventa!
A gente principia as coisas,
no não saber por que,
e desde aí perde o poder de continuação
porque a vida é mutirão de todos,
por todos remexida e temperada.
O mais importante e bonito, do mundo, é isto:
que as pessoas não estão sempre iguais,
ainda não foram terminadas,
mas que elas vão sempre mudando.
Afinam ou desafinam. Verdade maior.
Viver é muito perigoso; e não é não.
Nem sei explicar estas coisas.
Um sentir é o do sentente, mas outro é do sentidor.”

Trecho de Grande Sertão Veredas, de João Guimarães Rosa.

Por Mariana Bertolucci

doralice doces
  1. Luiz Inacio Medeiros says:

    Como sempre nos das uma surpresa, pela objetividade e determinação. Gostei da citação do Guimarães Rosa. Conheci- o no Itamarati, e daí tenho uma dedicatória que leio sempre. A lucidez do pensamento de vocês se encontram. “Viver é muito perigoso”, mas pode ser o caminho certo num mundo tão assustador como o de hoje. Parabéns , mais uma vez!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *