amor, por mariana bertolucci

Só os corações abnegados conhecem a felicidade. Poderia ser mais uma frase de caminhão ou de livrinhos de mensagens edificantes, mas é a mais cristalina verdade. Nada é maior, mais poderoso e revolucionário do que o amor altruísta que não se basta. Que transborda-se de nós. Derrama-se e adentra sem vaidade ou medo no sofrimento e na delicadeza alheios. Se identifica, se aproxima, se doa pelo próximo. É o amor desprendido. O amor que solta, não retém.

Se você não experimentou ainda essa qualidade amorosa ou não chegou ainda nesse nível do verbo amar provavelmente não conseguirá ler até o fim o meu pensamento. Vai se entediar em seguida, passar para um conteúdo mais interessante dos tantos que chegam diariamente no seu telefone. Voltemos, esse amor abnegado nasce e se constrói em cada um de nós de formas e em tempos diferentes. Não raro, desabrocha quando algo ameaça ou fere a nós ou a quem amamos. E passamos a entender a importância de saber se colocar no lugar do outro. Sempre.

A presença do amor abnegado é avassaladora. Eu diria que milagrosa. Na religião, “Deus é amor” e “cada um de nós tem em si e é seu próprio Deus”, então todos somos expressão de amor, nós, o mendigo da sinaleira e o jeito que tratamos o mendigo da sinaleira. Escutamos isso desde crianças na catequese, da tia-avó freira, da professora de yoga, do guru do Instagram. Mas conseguimos sentir esse amor? Por todos os animais, não só pelos nossos pets, por todas as árvores, não só pelas do nosso quintal? Por todas as pessoas, não só pelas nossas pessoas? De verdade. Nós somos (ou deveríamos ser) expressões de amor que trabalham e agem no mundo para melhorá-lo? Hein?

Filho da força, o amor abnegado anda sempre em volta da tristeza e da injustiça. Ele sabe que é perto delas que mais sente e aprende. Mas não tem um santo dia da vida que ele não vá atrás da saltitante alegria, porque é da sua molequice que ele se alimenta. Suas melhores amigas são as necessárias e queridas Esperança e a Empatia, (aquelas que a gente pode contar para tudo, sabe?). Mas a cara metade do amor abnegado é a energia. Ela, mesmo discreta e misteriosa, o faz vibrar e está sempre pronta para um abraço. E a energia, você sabe, é a líder. Onde quer que ela vá, estão sempre atrás, a fé, sua prima-irmã, a sábia e quieta humildade, e a exuberante coragem. Eita turminha empoderada essa que faz a diferença no mundo, viu? Sim, essa história do amor é bem singela e fácil de entender, mas infelizmente, para nosso azar, não são todas as pessoas que têm a sorte de conhecê-la. Pode soar simplória, lúdica, quase cafona, talvez cheia de mi-mi-mi. Ou seria uma versão comunista do amor…

Se por acaso, você segue me lendo, desconfio que você já tenha experimentado e sentido a comoção que é amar. Talvez você já tenha derramado-se de amor e compaixão por pessoas e situações distantes de você fisicamente, mas que despertam seu encanto pela humanidade. Nossa imagem e semelhança. O amor em VOCÊ. Repercute na saúde dos nossos corpos, na verdade dos nossos olhos e na maneira de agirmos (OU NÃO) no mundo. Nunca foi tão necessário que a energia feminina e cuidadora do amor circule e transcenda entre nós. Não o amor quase automático e/ou genético que sentimos por nossos familiares e amigos. Ou o fogo carnal e o comichão dos amantes. É o amor que não aceita conjunções adversativas. É inteiro, sem “mas”, nem “porém”, “todavia” ou “contudo”.

Se você ainda está aqui comigo, imagino que você esteja me lendo da sua casa, e que quando você sai, além de não esquecer jamais o álcool gel, usa máscara, e tem lavado as mãos como nunca. Também sei que você não esteve em aglomerações no último ano, encontrou sempre as mesmas poucas e boas pessoas e que respeita o sofrimento e o luto das mais de 260 mil famílias do nosso país. Assim como o meu, o seu coração abnegado hoje chora. E como diria William Shakespeare “Chorar é diminuir a profundidade da dor”.

Chore,
Seja amor,
Estamos juntos
Vai passar.

Por Mariana Bertolucci

CategoriasSem categoria
  1. Ana Paula says:

    Mari Queridaaaaa….. que emocionante tua crônica, vibremos amor, talvez essa seja, a única energia para aplacar a nossa triste realidade…. Gratidão ❤️❤️🙏🏻

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *